Anuncie na Confoto
Prêmio Porto Seguro Brasil – Aquisição ANTONIO MONTEIRO GOIS (TONHO CEARÁ)
1  | 2  | 3  | 4  | 5  | 6  | 7  | 8  | 9  | 

HISTÓRICO DE ANTONIO MONTEIRO GOIS,
O FOTÓGRAFO LAMBE-LAMBE,
CONHECIDO NO RECIFE POR TONHO, CEARÁ OU TONHO CEARÁ, CONFORME O MEIO EM QUE CIRCULE.

Antonio Monteiro Gois nasceu em Juazeiro do Norte(CE) e é fotógrafo desde os 17 anos. Saiu de lá em 1977, direto para o Recife (PE), sozinho, com o intuito de trabalhar e morar numa cidade grande, que oferecesse mais oportunidades.

Instalou sua câmera na Praça Dom Vital, ao lado do Mercado de São José, na época, Meca da fotografia popular em Pernambuco, no bairro de mesmo nome, no Recife, principal local da capital a abrigar o ofício de lambe-lambe.

Assim, eram, ao todo, 22 fotógrafos-retratistas e todos tinham trabalho suficiente para viver, segundo palavras do próprio Tonho Ceará. A principal demanda, na época, era por retratos para documentos, sobretudo o 5x7 e os tradicionais 2x2 e 3x4 cm.

Havia outra demanda muito interessante que era a reprodução de fotos para uso em trabalhos de casas de magia negra.

Quando se intensificou a procura por fotografia colorida, diminui o trabalho dos lambe-lambes, mas muitos continuaram na ativa.

Tonho Ceará sempre fez lambe-lambe. Chegou a possuir, ainda, dois laboratórios para fotografias em preto e branco (P&B), em Juazeiro do Norte. Trabalhou, também, com monóculo, viajando pelo Ceará, pela Paraíba, por Piauí e Maranhão.
De uns vinte anos para cá, passou a trabalhar com filme colorido, sempre fotografando gente. Começou a fotografar em comunidades pobres (favelas, nas suas palavras) do Recife, o que ainda faz até hoje.

Tonho Ceará faz retratos, mora sozinho e não está desiludido com a fotografia, permanecendo um apaixonado e vivendo de forma modesta do ofício.

Todo ano vai ao Juazeiro do Norte para rever familiares e cultivar suas raízes.

É sua intenção passar o restante da vida na terra natal.

Em 2006, recebeu o convite do fotógrafo Luiz Santos para, juntos, realizarem uma viagem em direção ao Juazeiro do Norte fotografando o povo. A idéia foi transformada em projeto e proposto ao Programa BNB de Cultura com o nome de a volta do lambe-lambe.

Em 2008, finalizado o projeto, surgiu como resultado o filme cinema de dois tões, com direção de Luiz Santos, do qual Tonho Ceará é o maior protagonista, além da mostra o mundo real é uma fotografia, no Museu da Cidade do Recife.