Clube De Arte Fotográfica Camaçari – CAFC

 

Sede: Camaçari – BA

Fundação: 29 de março de 2012

DIRETORIA EXECUTIVA

Presidente
Marilton Cezar Silva Trabuco
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Diretor de Estudos e Eventos
Raimundo Sergio Gonçalves Cedraz

Diretor Tesoureiro
Heitor Ribeiro de Freitas Oliveira

Diretor de Relações Públicas
Miguel Dória Costa

Diretor de Relações Públicas
Geraldo Honorato Santos de Oliveira


CONSELHO FISCAL

Jeiel Assis Carneiro

Fabio Matos Silva

 

Notícias

Camaçari ganha clube de arte fotográfica

Um grupo formado por pessoas de diversas áreas de atuação, mas que tem em comum o amor pela “arte de eternizar momentos”, fundou - semana passada - o Clube de Arte Fotográfica de Camaçari (CAFC). Entre os objetivos da entidade estão a difusão do interesse pela fotografia através de palestras e cursos, a realização de exposições e, por fim, a promoção de excursões para o aprimoramento da técnica dos associados.

O ato de fundação do CAFC aconteceu no Restaurante Casa de Taipa. Na ocasião, foi escolhida a primeira diretoria, que terá como presidente e secretário, respectivamente, os fotógrafos Marilton Trabuco e Geraldo Honorato. Os demais dirigentes são Heitor Oliveira (Tesoureiro), Michel Dória (Relações Públicas) e Sérgio Cedraz (Diretor de Estudos e Eventos). O conselho fiscal tem como membros Jeil Carneiro e Fabio Matos.

Serão divulgados, em breve, os contatos e os procedimentos necessários para os interessados em fazer parte do clube.

+nfo

 

História de Camaçari

A história de Camaçari começa às margens do Rio Joanes, em 1558, com a formação da Aldeia do Divino Espírito Santo, pelos jesuítas João Gonçalves e Antônio Rodrigues. Logo depois, foi instalada a Companhia de Jesus, espaço para catequização dos índios tupinambás que viviam na região.

Em 1624, a Aldeia do Divino Espírito Santo desempenhou um papel importante na expulsão dos holandeses que chegaram à Bahia. Na época, sob a liderança do bispo D. Marcos Teixeira, várias autoridades foram acolhidas na vila e organizaram as tropas de resistência, juntamente com os índios, expulsando, um ano depois, os invasores.

Camaçari foi emancipada no dia 28 de setembro de 1758, por meio de decreto do Marquês de Pombal, que alterou o nome do povoado para Vila de Nova Abrantes do Espírito Santo e expulsou os jesuítas que viviam na região. Tempos depois, passou a ser chamada apenas de Vila de Abrantes.

Os primeiros registros apontam à existência de 544 casas e 1.200 habitantes. A vila, por falta de liderança jesuítica, teve a sede transferida para o arraial de Parafuso, não chegando a se efetivar e voltando novamente para Abrantes.

Nessa época, as terras que compõem o município pertenciam ao desembargador Tomaz Garcez Paranhos Montenegro. Graças à influência política, ele conseguiu trazer em 1860 a estrada de ferro para suas terras, o que impulsionou o crescimento da região.

Mas foi em 1920 que o distrito de Camaçari foi criado, desmembrado de Abrantes. O então governador Francisco Marques de Góes Calmon muda a sede do município de Abrantes para Camaçari, que passa a ser vila. Cinco anos depois, passa a se chamar Montenegro, em homenagem ao desembargador.

Finalmente, em 1938, o município é chamado de Camaçari, através do decreto 10.724, de 30 de março. O nome, que inicialmente se escrevia Camassary, tem origem tupi-guarani.
O significado é árvore que chora, devido às folhas ficarem cobertas de gotículas. Com o documento, o município ficou sendo formado pela sede e os distritos de Vila de Abrantes, Monte Gordo e Dias D'Ávila, este último emancipado em 1985.
Camaçari é a sede do primeiro complexo petroquímico planejado do País que iniciou suas operações em 1978, a apenas 50 quilômetros de Salvador, capital do Estado da Bahia. Camaçari é a locomotiva industrial da Bahia.
Maior complexo industrial integrado do Hemisfério Sul, o Polo tem mais de 90 empresas químicas, petroquímicas e de outros ramos de atividade como indústria automotiva, de celulose, metalurgia do cobre, têxtil, bebidas e serviços.
Camaçari é dona também de outro respeitável e aprazível numero, 42 quilômetros de orla marítima, onde estão incrustadas lindas praias...

Arembepe sede do projeto TAMAR de proteção à tartaruga marinha e da Aldeia Hippie, Jauá e suas dunas de areia branca onde se pratica o “snow board” uma mistura de surf com skate, praticado nas dunas de Jauá, Barra de Jacuipé, onde o mar recebe as águas do rio Jacuipé, local muito frequentado por praticantes de esportes náuticos, principalmente o Jet Sky, Genipabu, Guarajuba, Interlagos, Itacimirim, Busca Vida, Buraquinho, Barra do Pojuca, Praia da Espera, onde desembarcou o navegador Amyr Klink, quando da primeira travessia do Atlântico Sul em barco a remo realizada em 1984.
Alem de praias, Camaçari tem uma enorme zona rural, inclusive com comunidades quilombolas, resquícios de Mata Atlântica, manguezais, cerrado entre outros biomas, uma riquíssima fauna e flora, uma rica cultura com diversas manifestações focloricas, musica, teatro, artesanato, esporte, paisagens que vão da dureza do cenário industrial ao bucólico por do sol em uma praia deserta.

Camaçari é um mosaico de cores, texturas, paisagens e outras infinitas possibilidades fotográficas.

Marilton Trabuco

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/
www.camacari.ba.gov.br
www.coficpolo.com.br
www.google.com

Copyright